A Solidariedade e a Eucaristia: O mandato eucarístico é o amor e o serviço aos irmãos

 

Aquele que partilha do pão que dá vida ao mundo ( cf. Jo 6,51) , deve nutrir no seu coração esse sentimento que gera uma atitude concreta de serviço ao próximo, em um incessante: viu, sentiu compaixão e cuidou dele (cf. Lc 10,33-34).

 

   

          A Eucaristia está intimamente ligada ao serviço da solidariedade. São João Paulo II nos lembra que ela “não é apenas expressão de comunhão na vida da Igreja.  É também projeto de solidariedade para a humanidade toda!”[1]. Porque celebrar a Santa Missa significa que o Cristão está unido a Deus, mas também ao mundo todo, portanto, aquele que participa desta Ação de Graças deve ser um promotor da solidariedade. [2]

 

          A eucaristia, sinal da unidade com todos, que prolonga e faz presente o mistério do Filho de Deus feito homem, nos propõe uma evangelização integral. […] Para isso, tem que seguir o caminho de Jesus e chegar a ser a boa samaritana como Ele. Cada paróquia deve chegar a concretizar em sinais solidários seu compromisso social.[3]

 

          É bom lembrar que Solidariedade não é um termo de origem cristã, e muito menos um termo que pode ser facilmente definido. A palavra é de origem francesa e no dicionário significa: sentimento de simpatia ou piedade pelos que sofrem. Manifestação desse sentimento, com o intuito de confortar ou ajudar. Cooperação ou assistência moral que se manifesta ou testemunha a alguém em certas circunstâncias, ou seja, uma ação concreta a alguém que sofre, e estado ou condição de duas ou mais pessoas que dividem igualmente entre si as responsabilidades. [4]

          Mas, em nosso mundo secularizado a palavra solidariedade passou a abranger muitas coisas. Pois, as palavras caridade, amor, compaixão e misericórdia parecem ter perdido força para expressar uma ação concreta de ir ao encontro do outro. Já a expressão solidariedade condensou todos esses sentidos. A ponto que quando se fala: de uma boa ação a alguém; ajuda a alguém que está sofrendo; doação de mantimentos; serviço e amor ao próximo; ou qualquer ação que represente uma ajuda moral e assistencial ao outro pode ser chamada de solidariedade.

          Além do mais, o adjetivo “humana” muitas vezes colocado ao lado da palavra “solidariedade” deseja frisar que ser solidário significa o desejo concreto de ir ao encontro do próximo, porque supõe a existência de uma rede onde todos nos reconhecemos irmãos. E como nos diz o Papa Francisco em sua nova encíclica, solidariedade é pensar e agir em termos de comunidade. [5]

          Logo, a solidariedade em contexto cristão expressa o serviço primordial da caridade, ou seja, do amor ao próximo, realizando o mandamento do Senhor que diz que devemos amar ao próximo como a si mesmo, e ainda mais, que devemos socorrer todos os irmãos em suas necessidades.

 

          A solidariedade manifesta-se concretamente no serviço, que pode assumir formas muito variadas de cuidar dos outros. O serviço é, em grande parte, cuidar da fragilidade. Servir significa cuidar dos frágeis das nossas famílias, da nossa sociedade, do nosso povo. Nesta tarefa, cada um é capaz de pôr de lado as suas exigências, expetativas, desejos de onipotência, à vista concreta dos mais frágeis […]. O serviço fixa sempre o rosto do irmão, toca a sua carne, sente a sua proximidade e, em alguns casos, até “padece” com ela e procura a promoção do irmão. Por isso, o serviço nunca é ideológico, dado que não servimos ideias, mas pessoas.[6]

 

         Aquele que partilha do pão que dá vida ao mundo ( cf. Jo 6,51)[7], deve nutrir no seu coração esse sentimento que gera uma atitude concreta de serviço ao próximo, em um incessante: viu, sentiu compaixão e cuidou dele (cf. Lc 10,33-34). Pois, na mesa eucarística somos convidados a anunciar ao mundo esse amor por meio do serviço,

 

          Desta forma, nas pessoas que contacto, reconheço irmãs e irmãos, pelos quais o Senhor deu a sua vida amando-os « até ao fim » (Jo 13, 1). Por conseguinte, as nossas comunidades, quando celebram a Eucaristia, devem consciencializar-se cada vez mais de que o sacrifício de Jesus é por todos; e, assim, a Eucaristia impele todo o que acredita n’Ele a fazer-se « pão repartido » para os outros e, consequentemente, a empenhar-se por um mundo mais justo e fraterno.[8]

 

          Esse empenho não é uma ação diversa do sentido da eucaristia, pois faz parte do mandado da eucaristia. Esse mandato é o amor, e esse amor se manifesta no serviço, na comunhão, na unidade, na compaixão e no socorro a todos os necessitados.

          Esse convite eucarístico à solidariedade universal parte de um Deus que faz chover sobre os bons e maus (cf. Mt 5, 45), que nos convida a amar os inimigos e orar pelos que nos odeiam (cf. Mt 5,44). Logo, a comunidade eucarística é aquela que não deixa que ninguém passe necessidades (cf. 1Jo, 3, 17), que serve e lava os pés uns dos outros (cf. Jo 13,14), e que segue o mandamento do amor levado a perfeição: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei” (cf. Jo 15, 12).

          Logo, a Eucaristia nos convida a ir em socorro dos mais fracos, em uma ação solidária que não quer somente sanar as feridas materiais, mas também as espirituais, e portanto ao comungarmos o Corpo do Senhor devemos sentir em nosso peito um apelo a compaixão, a esse sentimento de empatia pelo próximo.

          Pois, Ela é um alimento para o caminho,[9] por ela entramos no dinamismo de Jesus em relação a Deus e ao próximo,[10] nos impulsionando a missão, como nos exorta a oração pós-comunhão da solenidade do Sagrado Coração de Jesus: “Ó Deus, que este sacramento da caridade nos inflame em vosso amor e, sempre voltados para o vosso Filho, aprendamos a reconhecê-lo em cada irmão.”[11]

          Além do mais, a eucaristia não é uma mesa fechada ou um privilégio dos puros.  Ela é força para quem estar a serviço do mestre Jesus, Ação de Graças na qual nos unimos no seguimento de Cristo, e reconhecemos a Deus como o Senhor da vida[12], e compromisso de serviço, principalmente para com aqueles que estão em situações mais vulneráveis, para com os mais empobrecidos, como nos exorta o professor Taborda:

 

          Mas comunhão a partir da memória de Jesus significa comunhão como a de Jesus: ele criou comunhão e fraternidade a partir do pobre. […] Toda comunhão que não se baseie nessa solidariedade é falsa, pseudocomunhão, porque é abstrata, não tem base concreta (cf. Tg 2, 14-17). A solidariedade com os pobres é o polo de comunhão da comunidade. Onde isso não acontece a comunhão é mentirosa (cf. 1 Co 11, 17-34: “não é a ceia do Senhor”)’.[13]

 

          E ainda podemos citar São João Paulo II:

 

          Do amor mútuo e, em particular, da solicitude por quem passa necessidade, seremos reconhecidos como verdadeiros discípulos de Cristo (cf. Jo 13,35; Mt25,31-46). Com base neste critério, será comprovada a autenticidade das nossas celebrações eucarísticas.[14]

 

          Portanto, a relação entre Eucaristia e Solidariedade consiste em fazer arder uma chama permanente de caridade no coração do Cristão, que o impele a ser testemunha da misericórdia de Deus para com todos os irmãos. Pois, da Sagrada Comunhão emana para humanidade inteira o amor de Deus que nos torna todos irmãos e corresponsáveis uns pelos outros gerando um sentimento de solidariedade universal.  Pois, “central da eucaristia é ser sinal de comunhão de vidas e de pessoas, na solidariedade com os pobres e no serviço aos irmãos”.[15]

         Terminamos lembrando o discurso do Papa Bento XVI na abertura dos Trabalhos da V conferência geral do episcopado da América Latina e do Caribe, que nos afirma que “o encontro com Jesus Cristo na Eucaristia suscita o compromisso da evangelização e o impulso da solidariedade”.[16] Aquele que participa da mesa da eucaristia deve testemunhar o próprio Cristo na sociedade, para que ela seja mais justa e humana. Pois, da Eucaristia brota um imenso caudal de caridade que nos faz participar das dificuldades e sofrimentos do outro.[17]

 

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

 

Ir. Pedro Paulo Queiroz, CJS. Religioso na Congregação de Jesus Sacerdote, Editor Geral da Revista Voz Amiga, Formado em Licenciatura Plena em Filosofia pela FAJOPA, e cursando o 5º semestre de Teologia no UNISAL. Bolsista PIBIC-CNPQ

 

Ir. Pedro Paulo Espirito Santo Queiroz, CJS. 
Religioso e Promotor Vocacional na Congregação de Jesus Sacerdote, Editor-Chefe da Revista Voz Amiga, Formado em Licenciatura Plena em Filosofia pela FAJOPA, e cursando o 7º semestre de Teologia no UNISAL. Bolsista PIBIC-CNPQ

 

 

[1] João Paulo II. CARTA APOSTÓLICA MANE NOBISCUM DOMINE: para o ano da eucaristia. 2004. Disponível em: http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_letters/2004/documents/hf_jp-ii_apl_20041008_mane-nobiscum-domine.html. Acesso em: 06 out. 2020. n. 27.

[2] Cf. ibid. n.27.

[3] Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (Celam). Documento de Aparecida: Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe. Brasília: Edições CNBB; São Paulo: Paulus; Paulinas, 2007. n.176.

[4] Cf. Solidariedade. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em: https://www.dicio.com.br/solidariedade/. Acesso em: 08/10/2020.

[5] Cf. Francisco. CARTA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI: sobre a fraternidade e a amizade social. 2020. Disponível em: http://www.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20201003_enciclica-fratelli-tutti.html. Acesso em: 07 out. 2020. n. 116

[6] Ibid. n. 115

[7] Bíblia: A Bíblia do Peregrino. 3. Ed. São Paulo: Paulus, 2017.

[8] Bento XVI. EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL SACRAMENTUM CARITATIS: sobre a eucaristia fonte e ápice da vida e da missão da igreja. 2007. Disponível em: http://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/apost_exhortations/documents/hf_ben-xvi_exh_20070222_sacramentum-caritatis.html. Acesso em: 01 out. 2020. n.88.

[9] Cf. DAp, n. 354

[10] Cf. DAp, n. 253.

[11] Missal Romano. 12º ed. São Paulo: Paulus, 1997.

[12] Cf. Taborda, Francisco. Eucaristia e Igreja. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 17, n. 41, p. 29-62, 01 jan. 1985. Tri. Disponível em: <http://www.faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/view/1935/2238&gt;  Acesso em: 25 set. 2020.p. 58

[13] Taborda, Francisco. Eucaristia e Igreja. Perspectiva Teológica, p. 32

[14] João Paulo II. CARTA APOSTÓLICA MANE NOBISCUM DOMINE: para o ano da eucaristia., 28.

[15] Taborda, Francisco. Eucaristia e Igreja. Perspectiva Teológica, p. 62

[16] Cf. DAp, p. 276

[17] Cf. Ibid.

 

 

Referências

Bento XVI. EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL SACRAMENTUM CARITATIS: sobre a eucaristia fonte e ápice da vida e da missão da igreja. 2007. Disponível em: http://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/apost_exhortations/documents/hf_ben-xvi_exh_20070222_sacramentum-caritatis.html. Acesso em: 01 out. 2020.

Bíblia: A Bíblia do Peregrino. 3. Ed. São Paulo: Paulus, 2017.

Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (Celam). Documento de Aparecida: Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe. Brasília: Edições CNBB; São Paulo: Paulus; Paulinas, 2007.

Dicio, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em: https://www.dicio.com.br/solidariedade/.

Francisco. Carta Encíclica Fratelli Tutti: sobre a fraternidade e a amizade social. 2020. Disponível em: http://www.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20201003_enciclica-fratelli-tutti.html.

João Paulo II. Carta Apostólica Mane Nobiscum Domine: para o ano da eucaristia. 2004. Disponível em: http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_letters/2004/documents/hf_jp-ii_apl_20041008_mane-nobiscum-domine.html.

Missal Romano. 12º ed. São Paulo: Paulus, 1997.

Taborda, Francisco. Eucaristia e Igreja. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 17, n. 41, p. 29-62, 01 jan. 1985. Tri. Disponível em: <http://www.faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/view/1935/2238&gt;

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Segue-me. Jesus me tocou, me amou e me fez um homem novo!

sex jan 22 , 2021
“Um amor que se doou completamente de uma forma gratuita. Ele encheu todo o meu ser e me fez nascer novamente. Sim, Jesus tocou em mim naqueles dias. E após essa experiência eu me tornei um homem novo!”
%d blogueiros gostam disto: