A Voz dos Agregados – 2020: ano de muitas datas significativas

Revista Voz Amiga | Volume 31 | Nº 1 | Ano 2021

 

 

Foi com eles que conheci o Carisma e a Espiritualidade de Pe. Mario Venturini. Aprendi a amar e fazer amar a pessoa do Sacerdote, rezando e oferecendo a própria vida pela santificação dos Ministros do Senhor.

Testemunho do Padre Costante Gualdi

O ano de 2020 para mim certamente foi muito significativo. No dia 10 de fevereiro celebrei o aniversário de 40 anos de Ordenação Sacerdotal, no dia 13 de maio 45 anos de vida missionária e no dia 12 de agosto 70 anos do meu nascimento. Datas que deram um norte a toda a minha vida e é por isso que louvo e agradeço a Deus.
Para início de conversa, devemos voltar no final da década de 60 e início de 70, quando, ainda jovem sentia dentro de mim um grande desejo de ser missionário. Naquela época estava trabalhando numa fábrica têxtil e vivia intensamente a fé na minha Comunidade Paroquial, onde era catequista e participava ativamente do grupo de jovens. Após ser aconselhado por um frade meu amigo, eis que fui conversar com Dom Valentim Lazzari, bispo de Grajaú (MA – Brasil) que estava visitando os seus familiares em Bérgamo, na Itália. Coloquei para ele o meu desejo de ser sacerdote missionário. Ele, depois de ter ouvido o meu sonho, ter conhecido a minha família e o pároco da minha Paróquia, sugeriu-me começar a preparação para vir para o Brasil fazendo um curso de enfermagem, sendo que na então Prelazia de Grajaú havia necessidade de enfermeiro para trabalhar no Leprosário “Vila São Marino”, na periferia da cidade de Grajaú. Logo me informei no hospital mais próximo da minha cidade como poderia fazer esse curso e no mês de outubro de 1973 comecei frequentar o curso de enfermagem. Para se concretizar isso, porém precisava deixar o emprego na fábrica onde estava trabalhando porque o curso de enfermagem exigia o tempo integral, de manhã eram as aulas práticas e a tarde a teoria. Ao mesmo tempo, porém eu não poderia ficar sem receber o meu salário porque na minha casa devia ajudar os meus irmãos na construção da nossa casa. Foi então que graças a uma amiga minha freira, conheci uma senhorinha que ficou sensibilizada e assumiu o compromisso de me ajudar mensalmente para eu poder realizar o sonho de ser enfermeiro e partir para o Brasil. Foi um longo ano de estudo e preparação.

Foto: Arquivo Pessoal de Padre Costante Gualdi.

No dia 13 de maio de 1975 pegava o navio em Gênova rumo ao Brasil. Foram 11 dias de viagem até o Rio de Janeiro. Durante a travessia aprendi as coisas básicas da língua portuguesa, tais como os dias da semana, o jeito de se cumprimentar, etc. Chegando na Prelazia de Grajaú logo fui ao Leprosário “Vila São Marino” colaborar com as Voluntárias da Caridade, Instituto Secular e cuidando dos nossos irmãos doentes. Foi uma experiência muito válida poder tocar com mão no sofrimento destes nossos irmãos abandonados da família e excluídos da sociedade. Com Dom Valentim logo comecei a concretizar a caminhada do meu sonho de ser padre. Ele mesmo quis ser o meu mestre abrindo-me à ciência da teologia. Em seguida fui para São Paulo, onde completei a minha formação na Faculdade Nossa Senhora da Assunção no Ipiranga e no dia 10 de fevereiro de 1980 Dom Valentim Lázzari ordenou-me Sacerdote na Igreja Matriz da cidade de Dom Pedro no Maranhão. Foi um dia de muita alegria porque, junto a todo o povo daquela paróquia, estavam presentes: a minha mãe dona Angelina, minha irmã Antonieta e minha tia Maria.


Foto: Arquivo Pessoal de Padre Costante Gualdi.

Como sacerdote o bispo me entregou a Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, na cidade de Dom Pedro. Foi realmente uma linda experiência missionária. Cheio de entusiasmo, coloquei-me a serviço das 38 comunidades espalhadas no interior, graças a colaboração das Irmãs Franciscanas Mínimas do Sagrado Coração. O objetivo era formar Comunidades Eclesiais de Base CEBs com suas lideranças: Dirigentes de Comunidade e Catequistas. Esse era muito importante porque as Comunidades só caminhavam graças ao empenho e a dedicação destas suas lideranças. De fato, eram elas que faziam as celebrações dominicais da Palavra e preparavam as crianças, adolescentes e jovens aos sacramentos. Na sua caminhada se tocava com mão a presença e a ação do Espírito do Senhor. Os Dirigentes e Catequistas conduziam as suas comunidades movidos pela força do Espírito Santo que os animava e fortalecia nas dificuldades. Uma das grandes dificuldades desse trabalho de evangelização e preparação das lideranças sempre foi a instabilidade de moradia destes nossos irmãos e irmãs. Com muita facilidade as pessoas mudam de casa e de cidade e com isso tudo começa de novo. As lideranças se mudam e tem que recomeçar procurando outras lideranças e providenciar a sua formação.

No ano de 2007, o Senhor me fez encontrar e conhecer a Congregação de Jesus Sacerdote, aqui em Barretos, na pessoa do Padre Mário Revolti. Realmente foi a Providência Divina. Viviam juntos Padre André Bortolameotti e Padre José Antônio de Souza. Foi com eles que conheci o Carisma e a Espiritualidade de Padre Mario Venturini. Aprendi a amar e fazer amar a pessoa do Sacerdote, rezando e oferecendo a própria vida pela santificação dos Ministros do Senhor. Conheci a vida do Padre Mário Venturini e a inspiração que ele teve no dia 7 de março de 1912. Quando, estando ele doente, deitado na cama do seu quarto e olhando o quadro de Jesus no Horto das Oliveiras pendurado na parede, sentiu no profundo do seu coração que devia fazer algo para aliviar o seu sofrimento formando uma família religiosa que ficaria rezando pela fidelidade dos Prediletos de Deus. Assim nasceu a Congregação de Jesus Sacerdote, as Irmãs Filhas do Coração de Jesus e os Agregados Leigos e Sacerdotes.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.


Foto: Arquivo Pessoal da Congregação de Jesus Sacerdote.

 

Comecei a minha caminhada rumo a Agregação. Conhecendo e estudando a vida do Padre Mário Venturini, senti que era esse o meu caminho. Fui aprofundando a espiritualidade e o carisma dessa família religiosa e ao mesmo tempo vivendo na comunidade, fui aprendendo na prática e com o exemplo desses nossos irmãos. No dia 31 de julho de 2011 recebi a missão de pároco da Paróquia Santuário Nossa Senhora do Rosário, em Barretos, no dia 09 de dezembro de 2017, fiz as minhas Promessas Definitivas como Agregado Interno da Congregação de Jesus Sacerdote.


Foto: Arquivo Pessoal de Padre Costante Gualdi.

Nestes longos anos de vida e missão, pude aprender que, seguindo o chamado do Senhor, senti a plena realização da minha vida, mesmo quando se apresentaram as dificuldades, as pedras no caminho e a cruz. Senti que não estava sozinho, a presença do Senhor e a sua força foram marcantes para superar os obstáculos e as provações. Como sacerdote sempre caminhei junto ao povo que o Senhor me havia confiado, valorizando os Conselhos Pastorais, dando responsabilidades aos leigos para que exercessem o seu protagonismo, apontando o caminho para os que estavam na frente e ajudando os que encontravam dificuldades em manter o passo, animando-os e motivando-os. Sempre procurei incentivar os vários grupos, movimentos e pastorais ciente que o Reino de Deus é para todos, sem excluir ninguém. No presbitério procurei viver a fraternidade presbiteral seguindo as orientações do bispo e da diocese, vivendo em comunhão e fazendo comunhão.


Foto: Arquivo Pessoal de Padre Costante Gualdi.

Nestes anos vividos aqui em Barretos, na Casa de Jesus Sacerdote, estou experimentando e concretizando o sonho de Padre Mário Venturini, caminhando em comunidade com os padres hóspedes e sendo seu amigo. Rezando com eles e por eles ofereço toda a minha vida pela sua santificação. Percebe-se a caminhada que fazem nos nove meses de estadia na nossa casa. Os primeiros dias de convivência nem sempre são fáceis, mas logo em seguida forma-se um clima de família onde todos se sentem irmãos e se ajudam reciprocamente para o seu crescimento. É bonito ver esta mudança de vida, vontade de acertar e retomar com mais garra a vocação que o Senhor lhes deu. Quando voltam para as suas dioceses de origem parece que saem da nossa casa mais leves e felizes, fruto daquele reencontro com o Senhor que os escolheu desde o seio materno e agora os envia novamente para exercer a sua missão com renovado ardor.


Foto: Arquivo Pessoal de Padre Costante Gualdi.

Na comunidade religiosa procuro acompanhar e ajudar na caminhada o grupo dos Agregados Externos, leigos cristãos que vivem no mundo e querem assumir esse ideal de vida do Padre Venturini, oferecendo a sua vida e suas orações pela santificação dos padres.


Foto: Arquivo Pessoal de Padre Costante Gualdi.

Quero mais uma vez louvar e agradecer a Deus pelo DOM da minha vida e em modo particular pelo chamado ao Sacerdócio que Ele me fez. Posso dizer que sou um padre feliz e plenamente realizado. Ainda mais agora que estou vivendo o Carisma e a Espiritualidade do Padre Mário Venturini. É uma motivação a mais para eu viver com mais fidelidade e intensidade a minha vocação.

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

Padre Costante Gualdi.
Agregado Interno – Barretos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Formação Presbiteral - A homilia segundo a Evangelii Gaudium

ter jan 26 , 2021
“Na homilia não é o ministro, mas Igreja que fala através das suas palavras. O pregador não se expressa por si mesmo, não pode fugir da realidade eclesial nem daquilo que a Igreja acredita e ensina. O papa aponta que a homilia precisa ser como uma conversa de mãe falando a seus filhos.”
%d blogueiros gostam disto: