Primeira Formação: Estamos Educando?

 

PRIMEIRA FORMAÇÃO

Revista Voz Amiga | Volume 32 | Nº 1 | Ano 2022

 

ESTAMOS EDUCANDO?


 

 

O desafio da educação das novas gerações, e sobretudo, dos futuros padres evidentemente preocupa, seja os educadores jovens, seja, sobretudo, os que viveram a vida toda com esta responsabilidade. Ninguém discute a necessidade e a importância desta missão. Mas os tempos mudaram. A cultura e o estilo de vida são diferentes. Os jovens de hoje não aqueles do passado. São necessários novos paradigmas, novos métodos. Quais? Temos que dar espaço a dúvidas, interrogativos, questionamentos. O autor deste artigo se faz porta voz dos mesmos. Vale a pena escutar.

 

 

 

O desafio da educação

Imagem: Freepik

Alguns dias atrás me encontrei com uma senhora, que não via há bastantes anos e que foi colaboradora diligente na paróquia, onde eu estava no passado. Agora é assistente social e trabalha na recuperação de adolescentes meio perdidos. E muito dedicada a esta missão desafiadora.

Falamos da educação das novas gerações. Colocou o desafio de educar os adolescentes a uma vida disciplinada e sóbria. Observou que o progresso colocou muitas comodidades à disposição do povo e a maioria procura tudo o que é mais cômodo, que mais satisfaz à gula, à curiosidade, ao lazer. E daí vem a facilidade de cair nos vícios. São adolescentes e jovens que fumam, tomam bebidas alcoólicas, até drogas, querem o celular, a moto, largam a escola, ou não se comprometem no estudo, preferindo mais passear, e ficar com os amigos.

 

De onde vem a pobreza?

Imagem: Freepik

Falamos também da ajuda aos pobres. Disse-me da dificuldade de convencer os adolescentes, filhos de famílias mal constituídas, a estudar para valer, não interromper os estudos e se profissionalizar. Mas eles também pensam a gozar a vida hoje, em lugar de preparar um futuro promissor.

O discurso dos pobres se ampliou: eu tinha ouvido mais vezes os Vicentinos se lamentarem porque famílias pobres bebiam, tomavam drogas, enquanto os filhos passavam fome. Eles os ajudavam com a cesta básica, mas o pai viciado não largava a bebida, e, por isso, não conseguia encontrar um emprego estável para manter a família.

Eu, que há bastante tempo desejava aprofundar o problema da “pobreza por causa dos vícios” tinha já pedido aos Vicentinos que me dessem escrito num papel a causa da pobreza das famílias que ajudavam. Deram-me o papel; sem dizer o nome das famílias, escreveram somente a motivação pela qual davam a ajuda. Eram 24 cestas básicas que mensalmente distribuíam, porque em 16 famílias o pai bebia, em 9 tomava até drogas; em duas o pai tinha abandonado o lar. Então eram 18 famílias pobres por causa de vícios; somente 6 eram pobres porque desempregados, doentes, ou chegados recentemente de outro lugar.

Bem-estar e decadência ética

A coisa me impressiona muito: aumenta o bem-estar, tanto é verdade que há uma corrida das autoridades para aumentar as estradas e, contudo, as estradas são sempre mais engarrafadas pelos carros. E há também uma corrida para aumentar e ampliar as prisões, que continuam sempre superlotadas. Para mim são sinais de aumento de bem-estar econômico e de decadência ética, pela cobiça ou mau uso do dinheiro.

É um problema muito sério, mas que ainda não despertou a atenção da opinião pública, nem mesmo da Igreja: continuamos a falar em pobreza e injustiça social, e calamos sobre o mau uso do tempo e do dinheiro. Se as estatísticas provam que quase 50% dos jovens têm excesso de peso, como podemos continuar a dizer que há uma multidão de pobres? Será que não existe mais o homem médio, mas há somente gordos e famintos? Não é para cessar o combate à pobreza, mas é hora de despertar para o mau uso do bem-estar!

E nos nossos ambientes religiosos e de formação?

Arquivo Pessoal Padre Pio Milpacher

O bem-estar entrou também nas casas religiosas e nos ambientes diocesanos, nos seminários e casas de formação. Há uma alimentação melhor, uma disciplina mais familiar, menos doenças, mais saúde e longevidade de vida. Graças a Deus!

Mas entrou também o estilo de vida burguesa. Eu sou velho e, como é costume dos idosos, confronto os novos estilos de vida com o do tempo da infância e juventude. Quando entrei no seminário havia a regra do silêncio estabelecida ainda por S. Bento e que entrou em todos os institutos religiosos e nos seminários. A regra dizia: “Fora do tempo de recreio se observe o silêncio; se precisar falar com alguém, se faça com poucas palavras e em voz baixa.”

Arquivo Pessoal da Congregação de Jesus Sacerdote.

Hoje há eclesiásticos e seminaristas que começam a conversar até dentro da igreja, apenas acabada a oração. Parece que não consigam ficar em silêncio até a chegar à porta de saída! E não se trata de poucas palavras em voz baixa: é conversa fiada em alta voz! Não falemos do silêncio nos outros lugares. O nosso Padre Fundador o recomendava muito, em vista do recolhimento, lembrando a frase bíblica: “É necessário orar sempre, e nunca desistir.” Era uma prática ascética muito recomendada pelos mestres de espírito e pelos livros de formação, que hoje parece esquecida: a prática da oração durante o dia, mediante o uso de jaculatórias, que muito ajudava a lembrar o ato de oferta feito de manhã e a dar atenção às inspirações do Espírito Santo. Temos muitas instruções do Padre insistindo nisso.

Regras preciosas, mas ultrapassadas?

Arquivo Pessoal Congregação de Jesus Sacerdote

Uma regra, dada por S. Inácio e copiada pela maioria dos institutos religiosos, inclusive o nosso, dizia: “Ninguém tome bebidas ou comida em casa de externos e nem na casa religiosa fora do tempo das refeições”. As refeições eram três vezes por dia, mais uma pequena merenda. E comia-se em silêncio enquanto alguém lia a vida da Santos. Era até proibido entrar na cozinha, que era um lugar afastado. Hoje cada momento é bom para tomar um cafezinho, um copo de chá ou de refrigerante, junto com um doce, ou balas. Tem até quem nunca bebe água: só Coca Cola, guaraná, sucos. Por isso, temos muitas pessoas gordas, ou diabéticas, que devem tomar continuamente remédios.

Quem não quer seguir as recomendações ascéticas, deveria pelo menos conhecer e observar as normas higiênicas, para uma vida saudável. Ensinam que o nosso corpo é uma máquina maravilhosa, mas, para funcionar corretamente, exige ordem e um tempo para tudo: para dormir (sete horas), comer, deixar ao estômago o tempo de digerir e ao organismo o tempo de assimilar. Recomendam de distanciar as refeições pelo menos três horas uma de outra.

Outra norma recomendada é de não beber nada durante as refeições, bebendo (mas somente água abundante) nos intervalos durante o dia. Naturalmente o comércio de bebidas não está de acordo; mas depende de cada um julgar se é melhor escutar os comerciantes ou os médicos; e decidir com firmeza.

Outra norma antiga ensinava: “levantar da mesa com um pouco de apetite”. Hoje os mestres de vida higiênica recomendam: “comer 20% a menos do   desejado”, diminuindo sobretudo a quantidade da carne e dos doces.Para quem não está acostumado, é duro adotar este regime de vida. Mas uma vez acostumados, se torna simples e agradável: é uma vida mais sadia, ordeira e virtuosa.

Temos medos de exigir?

Muitos superiores de institutos e comunidades têm medo de lembrar estas normas, para não parecerem avarentos e interessados, visto que a propaganda capitalista é toda virada a solicitar as satisfações da gula. Mas, quando se trata de satisfazê-la, esquecemos a nossa cruzada contra o capitalismo.

Arquivo Pessoal da Congregação de Jesus Sacerdote.

Para aspirantes à vida religiosa e religiosos com votos, a sobriedade é também problema de pobreza. Nós, contudo, lembramos com satisfação as palavras de S. Pedro a Jesus “Eis que nós deixamos tudo para te seguir”, junto com a resposta de Jesus que prometeu em troca o cêntuplo e a vida eterna. Mas, geralmente viemos de famílias pobres e nem tínhamos a possibilidade de estudar para melhorar de vida. Não seriamos padres se não tivéssemos encontrado o instituto que nos hospedou, na maioria das vezes de graça, e não nos deixou faltar de nada.

Mais vezes, gozando os serviços da vida religiosa, eu me pergunto o que posso esperar, depois da morte, como recompensa de Jesus. Ele terá todo o direito de me responder: “Já te dei na vida muito mais daquilo que tu deste a mim!”

– Como vivemos hoje? Que sentido tem e se vale ainda fazer hoje um voto de pobreza? – Eu me pergunto. Talvez mais pedagógico e honesto seria fazer uma promessa de vida na sobriedade.

Mas, depois é preciso procurar de vivê-la de verdade! Vale ainda, mais do que no passado, a exortação de S. Pedro aos primeiros cristãos: “Sejam sóbrios e vigilantes! Eis que o vosso adversário, o diabo, vos rodeia como leão a rugir, procurando a quem devorar. Resisti-lhe firmes na fé”. (I Pd, 5,8). O diabo, de quem fala S. Pedro, aqui é a moda, a propaganda, o gosto do momento; até, (e talvez principalmente) o mau costume que se deixou entrar em tantas comunidades.

 

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

 

 

 

Por Padre Pio Milpacher, CJS. 

Congregação de Jesus Sacerdote

 

 

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

A Voz do Papa: Revestir-se de Cristo! Dia de santificação sacerdotal de 2007.

ter abr 12 , 2022
De fato, o Filho de Deus despojou-se de si mesmo, assumindo a condição de servo e tornando-se semelhante aos homens; aparecendo com a forma humana, humilhou-se a si mesmo até à morte de cruz" (cf. FI 2, 6 ss.). Deus realizou, como dizem os Padres, o sagrado comércio, o intercâmbio sagrado: assumiu o que era nosso, para que pudéssemos receber o que era seu, tornando-nos semelhantes a Deus. São Paulo, para explicar o que aconteceu no Batismo, usa explicitamente a imagem da veste: “Todos os que fostes batizados em Cristo, vos revestistes de Cristo”. (Gl 3, 27)
%d blogueiros gostam disto: