A Experiência do Cristo Ressuscitado na primeira formação

 

O seminarista desde já deve professar a fé com a sua vida ao exemplo de São Paulo: “Minha vida presente na carne eu a vivo na fé, crendo no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gl.2,20).

 

 

         A vida do seminarista deve convergir para seu fim último, o magistério da Igreja ao se referir aos religiosos aponta um destino fundamental[1].  

O povo de Deus não possui aqui morada permanente, mas busca a futura, […] ora manifesta já aqui neste mundo a todos os fiéis a presença dos bens celestes, ora dá testemunho da nova e eterna vida conquistada pela redenção de Cristo, ora prenuncia a ressurreição futura e a glória do Reino celeste. LG Cap. VI nº119 p. 94

         A importância da intimidade do vocacionado em formação (seminarista) com Jesus deve ser marcante porque assim foi a experiência do mestre com seus apóstolos[2] e os mesmos seguiram essa finalidade (PDV 60)[3] de ser em Deus e por Deus[4], para só depois ser através Dele, saindo em missão.

         Cabe, portanto, uma configuração do seminarista ao seu Senhor, por isso lhe é atribuída uma espiritualidade que o ajudará a definir sua identidade de futuro presbítero.

O documento da CNBB nº 93 ajuda lembrando a importância de uma boa preparação: “O sentido da vida e da missão do presbítero é determinante pela qualidade e profundidade da sua experiência de comunhão (DAp 278).”[5]

         O seminarista deve buscar na formação e na experiência no seminário as quatro dimensões de Cristo. A primeira é dar–se na espiritualidade,[6] (Mt. 6,33. Mc.1,35.) a segunda é dedicar-se na sagacidade ao estudo, uma vez que a formação intelectual “procura adquirir uma sabedoria que, por sua vez, se abre e orienta para o conhecimento e a adesão a Deus” (PDV 51), ”[…] e “Jesus crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens[7],   desta maneira o presbítero, ao redor da identidade com Cristo na docilidade ao Espírito de Deus, vai atestar que o seminário é escola de santos.

         A terceira dimensão é o aspecto missionário, a vida pastoral a exemplo do Mestre Jesus: “Jesus chama, escolhe e prepara seus discípulos para serem pastores do seu rebanho”[8] (Mc.3,18) e os envia (Mt.28, 19 – 20);essa dimensão é a “necessária qualificação específica para o ministério pastoral”[9] é a natureza da Igreja, ou seja, a missão.

         Por fim, essas três dimensões devem ser a “partir de Cristo”[10]

 […] a Igreja conta com a dedicação constante desta multidão eleita de filhos […] com a sua aspiração à santidade e com o entusiasmo do seu serviço para favorecer e apoiar a tensão de todo cristão para a perfeição e reforçar o solidário acolhimento do próximo, especialmente do mais necessitado.
Deste modo, se testemunha a presença vivificante da caridade de Cristo entre os homens, eis a quarta dimensão.
[11]

          Este ímpeto para sair em missão é fruto da experiência com o Ressuscitado que o seminarista deve ter a cada dia na etapa da sua formação, encontrando à Cristo seja na incidência insubstituível da vida sacramental[12] como também no contato com os irmãos.[13]

         O seminarista desde já deve professar a fé com a sua vida ao exemplo de São Paulo: “Minha vida presente na carne eu a vivo na fé, crendo no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”(Gl.2,20). Obedecendo a esta causa nobilíssima Sto. Irineu afirma: “se fez causa de salvação tanto para si como para todo gênero humano”.[14]

          O contexto ao qual o santo se referia era sobre Maria na Assunção, mas por meio desses escritos faço alusão a todos os cristãos, em particular a todos os seminaristas que, ao obedecer Seu Mestre, já fazem esta experiência.

 

 

 

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

 

 

 

Ir. Ronaldo Teles da Cruz, CJS.
Religioso na Congregação de Jesus Sacerdote, e estudante de teologia no Centro Universitário Salesiano de São Paulo, UNISAL, 7º semestre.

 

 

 

[1]            SCHILLEBEECKX, Edward. Lumen Gentium, capitolo VIII: una via di mezzo tra massimalismo e minimalismo. Maria : Ieri, Oggi, Domani, Brescia – Itália: 1995. 234

[2]            Mc.3,14

[3]            JOÃO PAULO PAPA,. Pastores Dabo Vobis: esortazione apostolica post-sinodale di sua Santita Giovanni Paolo II. Cidade do Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 1992. 180 p. ISBN 882091803X.

[4]            Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica; Partir de Cristo.

[5]            CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Diretrizes para a formação dos presbíteros da Igreja no Brasil. São Paulo: Paulinas, 2010. 248 p. (Documentos da CNBB (Paulinas) ; 93). ISBN 9788535627442.p.157.

[6]            Mt. 6,33. Mc.1,35.

[7]            Lc.2,52 

[8]            CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Diretrizes para a formação dos presbíteros da Igreja no Brasil. São Paulo: Paulinas, 2010. 248 p. (Documentos da CNBB (Paulinas) ; 93). ISBN 9788535627442.p.180

[9]            Ibid.,p. 180 – 181.

[10]          IGREJA CATÓLICA. Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica. Partir de Cristo: um renovado compromisso da vida consagrada no terceiro milênio. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2002. 70 p. ISBN 8515024969.

[11]          IGREJA CATÓLICA. Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica. Partir de Cristo: um renovado compromisso da vida consagrada no terceiro milênio. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2002. 70 p. ISBN 8515024969.p. 8.

 

[12]          JOÃO PAULO PAPA,. Carta apostólica: Novo millennio ineunte do sumo pontífice João Paulo II ao episcopado, ao clero e aos fiéis no término do grande jubileu do ano 2000. São Paulo: Edições Loyola, 2001. 58 p. (Documentos pontifícios). ISBN 851502254X.p.35 – 37.

[13]          Lc.10, 16.

[14]          Adv. Haer. III, 224: PG 7,959ª; Harvey,2,123.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Editorial - Edição 1

qui abr 16 , 2020
“Que o Coração Sacerdotal de Jesus reine sempre em nossos corações!” Era essa a frase que padre Mário Venturini, o fundador da nossa congregação, iniciava os seus escritos e discursos, e também com ela queremos começar essa nova edição da nossa Voz Amiga! Tenho a alegria de apresentar-lhes este novo número da nossa revista, que a partir desta edição passa a ser exclusivamente eletrônica!
%d blogueiros gostam disto: