Maria e o Mistério da Cruz

 

A relação de Maria com o mistério da cruz nos mostra que a grandeza de Maria está no fato de que, por ter sido escolhida para ser a Mãe do Redentor, recebeu o privilégio de uma pré-redenção, em vista dos méritos do seu Filho.

 

 

       

Caríssimos irmãos e irmãs,

 

Saudações em Jesus Sacerdote!

 

Pinturas da Capela da Congregação de Jesus Sacerdote – Arquivo pessoal da congregação

          Quando voltamos o nosso olhar para contemplarmos Maria na sua relação com o mistério da cruz não podemos deixar de considerar a cruz como sinal de redenção. O mistério da cruz tem como efeito a ação salvífica e redentora. Maria é a Mãe do Redentor. A relação de Maria com o mistério da cruz tem sua culminância, é claro, no evento da crucificação de  seu Filho narrado pelos Evangelhos, mas, de fato, “Querendo Deus sumamente benigno e sábio, realizar a redenção do mundo – quando chegou a plenitude dos tempos, mandou seu Filho, nascido de mulher para que recebêssemos a adoção.” (Gl 4, 4-5) LG 52)

          Também devemos levar em consideração que “Os livros do Antigo e Novo Testamento  e a Tradição venerada, mostram o modo como  vai se tornando cada vez mais claro, a função da Mãe do Salvador,  modo esse progressivamente mais claro,  colocando-na  por assim dizer, diante de nossos olhos na economia da salvação. Os livros do Antigo Testamento descrevem a história da salvação que vai preparando a passos lentos para a vinda de Cristo ao mundo. Esses primeiros documentos, tais como são lidos na Igreja e entendidos à luz ulterior e plena da revelação, iluminam  pouco a pouco, sempre com maior clareza, a figura da mulher e da Mãe do Redentor. ” (LG 55)

Pinturas da Capela da Congregação de Jesus Sacerdote – Arquivo pessoal da congregação

          Ao contemplarmos a relação de Maria com o mistério da cruz vislumbramos que ela faz parte do Plano de Deus a partir do momento em que Ele decide dar continuidade à divinização do homem, usando com ele de misericórdia. Ao atuar no seu Plano através de uma criatura, enquanto ele mesmo se faz criatura, vemos que, por Maria, a humanidade toda é dignificada. Reconhecemos contudo, que Maria recebe um tratamento privilegiado, em vista da sua própria função, a de ser a Mãe, segundo a carne, do Filho de Deus. Assim, enquanto se revela cooperadora com Deus na obra da redenção, em virtude da sua vocação, pelos privilégios da sua imaculada conceição se nos apresenta numa condição iminente de santidade que supera a de todos os santos.

          Na relação de Maria com o mistério da cruz compreendemos que na obra da Redenção, enquanto natureza humana que o Verbo assume, ela  é a primeira a usufruir da glória de Deus, não porque remida e sim porque está particularmente unida ao Verbo. É a primeira, entre os redimidos, a usufruir da graça da cruz (Redenção) em virtude do privilégio da sua imaculada conceição.

Pinturas da Capela da Congregação de Jesus Sacerdote – Arquivo pessoal da congregação

          A relação de Maria com o mistério da cruz nos mostra que a grandeza de Maria está no fato de que, por ter sido escolhida para ser a Mãe do Redentor, recebeu o privilégio de uma pré-redenção, em vista dos méritos do seu Filho. A profecia, portanto, anuncia nela, a maneira surpreendente segundo a qual Deus chama a humanidade à cooperar com a divindade.  Em Maria, na sua relação com a cruz, vemos de fato, que o Redentor influi positivamente sobre cada homem, porque de condição divina se tornou pela Encarnação, membro da estirpe humana.

          Dessa forma, a relação de Maria com o mistério da cruz nos leva a concluir que pelos méritos de Cristo, e em condições de responder plenamente aos impulsos do Espírito, crescemos harmoniosamente na vida divina pela   obediência, na fé, na caridade e na esperança (cf: 61). O Espírito Santo, que recebemos pelo batismo age e recebe dela uma resposta harmônica, na qual se tornou capaz de realizar a vontade santificante do seu filho. Na relação de Maria com o mistério da cruz vemos, por fim, o quanto o Verbo eterno assume a nossa condição humana, e o quanto Deus santifica a humanidade.

 

 

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

 

 

 

André Carlos Morais Carvalho
Teólogo, Noviço da Congregação de Jesus Sacerdote.
andrecarlosm.carvalho@gmail.com

 

 

 

COMPENDIO DO VATICANO II. Constituições e decretos. Constituição dogmática Lumem Gentium, sobre a Igreja. São Paulo: Editora Paulus, 2014

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

A fé e os sinais no Evangelho de João: Inspiração para a vida e ministério do presbítero

qui set 17 , 2020
A teologia Joanina pode contribuir muito para refletirmos sobre a vida do Presbítero. Porque traz um grande aprofundamento sobre o mandamento do amor e do serviço. Mas, dos vários aspectos teológicos presentes no Evangelho de João, neste artigo nos aprofundaremos em apenas dois: A fé e os Sinais. 
%d blogueiros gostam disto: